ONG Parceira do PortoWeb

“Tirar alguém da cadeia é fácil, tirar do crime é muito difícil” - (parte II) - ZeroHora

 

Escolheu o Direito pensando em ser juiz?

 

Não tinha a menor ideia do que fazia um juiz ou um advogado. Eu lavava carros, era o borracheiro. O mais perto de um fórum que eu tinha chegado era quando eu lavava o carro do escrivão do fórum de Três de Maio, que é pai do Douglas Fischer (hoje procurador da República). Ele tinha uma Belina e um Del Rey.

 

Quando começou a trabalhar como borracheiro e lavador?

 

Quando estava na 6ª série. Sem bolsa, voltei para escola pública. Comecei a trabalhar na lavagem do meu pai. Meu salário era o seguinte: dos pneus de carro que eu consertava o dinheiro ficava comigo. Quando não tinha pneu, tinha que fazer o resto e não ganhava nada. Meu negócio era torcer para que os pneus dos carros furassem.

 

O senhor furava pneus?

 

Meu avô era carpinteiro e tinha uma caixa velha, cheia de pregos e tachas. Confesso que larguei algumas pela rua, no caminho do trabalho, para tentar aumentar meus ganhos. Eu tinha 12, 13 anos. Depois, me colocaram como lavador de carros, com carteira assinada. Quando saí, fui ser frentista. Tinha um tio que tinha sido brigadiano aqui em Porto Alegre, ele me incentivava para fazer concurso. Eu só queria ser motorista de caminhão. Aprendi a dirigir carreta com 14 anos. Buscava a carreta, lavava e devolvia. Com esse dinheiro comprei minhas motos. Tive três motos antes dos 18 anos.

 

Dirigia sem ter carteira? Nunca foi preso?

 

Tinha 16 anos e não tinha carteira. Logo, sempre me desviava da polícia. Uma vez não deu. Tive de fugir, porque senão perderia o fruto do meu trabalho. Minha história de vida pode ser exemplo diante do debate nacional (sobre a redução da maioridade penal), pois a pessoa nessa fase de 15, 16, 17 anos não está madura. É normal que pratique deslizes e isso não quer dizer que vai se tornar um delinquente. É o momento das correções. Imagina se eu tivesse ido para um presídio?!

 

O senhor usava drogas?

 

Nunca usei, mas meus amigos usaram e morreram. E eu, como juiz, executei pena de amigos de infância.


MULHERES DA ORDEM - OAB/RS
TORNOZELEIRAS ELETRÔNICAS - Programa de Monitoramento Georreferenciado de Sentenciados e/ou provisórios como Indutor da Diminuição da Criminalidade – PMGSP -
FUI PRESO na Secretaria de Segurança Publica/RS
Secretaria do Trabalho e do Desenvolvimento Social reconhece a FUI PRESO como OSCIP
STDS e OSCIP FUI PRESO firmam parceria para qualificação profissional de apenados
Apenados ajudam a limpar Porto Alegre após tempestade
DIREITOS HUMANOS DA SOCIEDADE - FUI PRESO apóia este projeto do Senador Waldemir Moka (PMDB-MS)
APAC - Reportagem do Fantástico (Globo) - Modelo ideal de instituição de assistência aos apenados, segundo o Juiz Sidinei Brzuska.
Presídio Central - Sidinei Brzuska - Fantástico - Rede Globo de Televisão - 06.12.2015
ONG FUI PRESO NA SECRETARIA DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS
CÁRCERE em imagem e texto
Acertado Convênio entre a STDS e a OSCIP FUI PRESO
As Marcas do Cárcere (Alysson R. Artuso)
“Tirar alguém da cadeia é fácil, tirar do crime é muito difícil” - (parte I) - ZeroHora
“Tirar alguém da cadeia é fácil, tirar do crime é muito difícil” - (parte III) - ZeroHora
“Tirar alguém da cadeia é fácil, tirar do crime é muito difícil” - (parte IV) - ZeroHora
“Tirar alguém da cadeia é fácil, tirar do crime é muito difícil” - (parte V) - ZeroHora
“Tirar alguém da cadeia é fácil, tirar do crime é muito difícil” - (parte VI) - ZeroHora
“Tirar alguém da cadeia é fácil, tirar do crime é muito difícil” - (parte VII) - ZeroHora

Página 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 || Próxima

A+-     A  ?
» Contatos

Porto Alegre - RS
 

(51) 8406-5213 

 Fale Conosco

  

 
Desenvolvimento PROCEMPA